Old School Digger

23 de abr de 2018



A nova seção do OSD é parente próxima da seção "OSD Não Recomenda", mas enquanto a seção mais antiga aponta algum jogo como fraco ou de baixa qualidade, a nova seção vai tratar de jogos que não são ruins de fato, mas que tem algum (ou alguns) problema(s) e detalhe(s) que o impedem de serem recomendados. 
Mostraremos, obviamente, os problemas e aspectos negativos desses jogos, mas não vamos nos ater apenas a isso, também apontando seus aspectos positivos, deixando nas mãos do leitor do blog se vale a pena arriscar adquirir o jogo ou não- afinal de contas, é como dizia o Capitão Planeta naquele desenho animado horroroso... "o poder é de vocês".

Para inaugurar a seção... "Spaceport Hope", disponível na loja Steam!



 "Spaceport Hope" é um jogo de plataforma  "metroidvania" em um ambiente de ficção científica você é um courrier/ mensageiro que aceita uma missão do governo e acaba sendo tragado por uma sequência de eventos que envolve até um iminente ataque de uma civilização alienígena, os Cilarian, contra seu planeta.
O jogo possui muitos cenários (o protagonista visita dez planetas diferentes) e uma boa quantidade de inimigos e NPCs, desde piratas até hackers. Tem muita exploração em "Spaceport Hope", assim como muitos itens a serem encontrados e mais de dez armas disponíveis para o protagonista no correr do jogo.
A história vai sendo descoberta gradativamente, o que é interessante, mas o foco do jogo é mesmo a ação. No geral é um jogo de aventura estilo plataforma razoável, embora com gráficos sem nada de especial- são até um tanto sem graça, na verdade. No quesito música, entretanto, a situação é um pouco melhor. Nada de cair o queixo, mas a trilha sonora é legal.

O grande problema de "Spaceport Hope" é que simplesmente não detecta nenhum dos meus controles e, se jogar jogos plataforma pelo teclado já não é o ideal, em "Spaceport"complica muito as coisas em alguns trechos do jogo, tornando jogar o título algo bem frustrante.
Vamos lá... uma empresa indie minúscula realmente acredita que apenas controles originais de XBox 360 são bons o suficiente para ela? Os desenvolvedores não podem dar um jeito de outros controles mais baratos serem compatíveis com seu jogo? É um detalhe pequeno, mas matou minha experiência com o jogo...

Se você tem um controle original e gosta de jogos retrô desse estilo, pode ser uma aquisição legal. Se não tem, só compre se não se importar em jogar com o teclado e de perder muitas vezes seguidamente em alguns trechos do jogo por causa disso. 

21 de abr de 2018



Em 2010 a Watermelon chamou atenção lançando um novo jogo para Mega Drive, o RPG "Pier Solar". Até o momento foi o único jogo dessa desenvolvedora, mas não foi o único jogo a ser lançado para o velho 16- bits da Sega...
Em julho desse ano mais um jogo para o Mega verá a luz do dia. Planejado para ser lançado tanto em versão cartucho quanto digital (tomara que saia na Steam!), "Tanglewood" promete ser ao mesmo tempo uma homenagem quanto um jogo com personalidade própria, onde um ser que parece uma raposa, Nynn, deve sobreviver aos perigos e predadores do mundo selvagem de Tanglewood após se perder de seu bando. O mundo é realmente uma selva, pelo jeito...
Pelo pouco que vi do jogo, o visual me lembrou jogos como "The Jungle Book" e "The Lion King", enquanto o jogo em si me lembrou "Pocahontas" e "The Lion King".
O interessante é que o desenvolvedor, o britânico Matt Phillips está usando apenas ferramentas que estariam disponíveis para se criar e programar um jogo de Mega Drive nos anos 90. Mais old-school que isso, impossível! Torço que mais desenvolvedores de jogos retrô sigam o exemplo dele!
Minhas primeiras impressões foram bastante positivas. Existem alguns vídeos no You Tube para quem quiser conferir e deixo abaixo o link oficial de "Tanglewood". Como disse acima, estou na torcida que o jogo seja disponibilizado na loja virtual Steam. Compra certa!


31 de mar de 2018





Jogador número 1 é um livro de ficção/romance escrito por Ernest Cline, e que tem várias referências a filmes, jogos, seriados de antes dos anos 2000 e que virou filme em 2018.
A história se passa no ano de 2044, em um cenário caótico e de destruição, onde a raça humana pobre, vive na imundice, sem energia, sem combustível, vivendo em lugares ruins.

27 de mar de 2018

Semana Santa chegando e nós do Oldschool Digger damos uma parada em nossos afazeres extra-internet para deixar três dicas de jogos de três estilos diferentes para você se divertir enquanto sua família reclama que você não sai da frente do computador nem para comer peixe no almoço da Sexta-Feira Santa. 

SUGESTÃO #1

Se você está com saudades de jogar: Final Fantasy 1 (NES); Wizardry: Proving Grounds of the Mad Overlord (NES, PC), Phantasy Star 1 (Master System); Dragon Quest/ Dragon Warrior 1 (NES)

Tente: Another Star


Sinopse: Um jogo de RPG que mistura elementos antigos e contemporâneos de jogabilidade em um visual pixel art caprichado. Algo que chamou bastante positivamente a atenção foi que, enquanto atualmente boa parte dos jogos de temática RPG/ fantasia medieval seguem uma linha de humor, paródia, desconstrução (como o bom "King's Bounty: The Legend") , "Another Star" segue um caminho mais tradicional, contando uma história de fantasia e aventura de modo épico salpicado de momentos de humor ou drama. Outro ponto muito legal é que o joo valoriza demais a exploração, tendo uma série de segredos e side quests espalhados pelo jogo todo. Para quem gosta de perambular pelo mapa é uma boa notícia. 
Os gráficos são bons, assim como a música e efeitos sonoros. A dificuldade está naquele ponto de equilíbrio para ser desafiante sem ser frustrante.
Alguns detalhes podem no começo causar estranhamento, como o combate ser um tanto diferente do que estamos acostumados e o minimalismo ao se entrar em cidades e vilas, pois no lugar de terem um mapa ou cenário próprio, se explora o local e conversa com seus habitantes através de escolhas feitas em um menu, semelhante ao jogos "Wizardry" antigos.
A história se inicia com o jovem guerreiro Tachi, do clã Minas, sendo mandado por seu pai, líder do clã, em uma missão: recuperar uma estrela cadente que caiu em uma floresta próxima. Décadas atrás, ao recuperar uma dessas estrelas o clã Set tornou-se o mais poderoso entre todos, formando um reino, e agora o clã Minas, assim como vários outros, deseja conseguir para sí essa nova estrela. A partir daí, a trama vai se complicando, com reviravoltas, segredos e conflitos surgindo a cada instante. 
Uma grande pedida para quem gosta de JRPGs.  "Another Star" é divertido e envolvente e com personagens carismáticos, destacando-se o impagável guerreiro Kyne. 

SUGESTÃO #2

Se você está com saudade de jogar: "Super Mario Bros" (NES); "Super Mario Bros 3" (NES); "Alex Kidd in Miracle World" (Master System)

Tente: Omegaland


Sinopse: A primeira vista, "Omegaland" é apenas uma homenagem ou clone de jogos plataforma como "Super Mario Bros", e de fato não deixa de ser, mas... não é apenas isso... "Omegaland" trouxe uma das maiores surpresas em termos de história que já vi, de forma bastante inusitada e criativa. 
A princesa Omega perdeu as 5 chaves que abrem os portões de seu castelo, e pede ajuda a você Patrick ou Patricia (você pode escolher entre os dois personagens, mas não existe nenhuma diferença real entre eles exceto a aparência). E um herói ou heroína) não pode deixar uma princesa na mão, não é?
"Omegaland" é um jogo divertido e curtinho, com gráficos pixelados e dificuldade que não é lá das mais altas. Explore os recantos do Flower Kingdom (Reino das Flores) em busca das chaves, colete tesouros,  compre upgrades dos mágicos e lembre-se... o mundo nem sempre é aquilo que parece ou que você pensou que era...

SUGESTÃO #3

Se você está com saudade de jogar: "Cabal" (NES);  "Wild Guns" (SNES); "Dynamite Dux" (Master System/ Mega Drive); "Assault City" (Master System, versão joystick); "The Punisher" (NES); "Machine Gun Joe" (Master System)"

Tente: Bot Vice


Sinopse: Um shooter estilo "galeria de tiro", daqueles em que você se move horizontalmente enquanto esquiva dos tiros dos inimigos e atira de volta. Ajude Erin Saver a conseguir sua vingança contra os Wildbots, gangue criminosa cibernética que matou seu parceiro e a fez perder um dos braços, e de quebra ainda salvar o principal edifício da cidade da ameaça de um doido varrido. O jogo tem um ritmo rápido, frenético, e, se é de fato bem divertido, também é bastante difícil. Os gráficos são um detalhe a parte, sendo bastante bonitos e bem trabalhados.


As dicas de hoje são essas. Bom jogo a todos e não comam chocolate demais.
Ou comam... tanto faz... os fabricantes de papel higiênico agradecerão.


11 de fev de 2018

Que "Stardew Valley" é um dos meus jogos favoritos (antigos ou não) não é segredo. Gastei mais horas do que devia cortando árvores, pescando, plantando nabos ou me aprofundando nas várias histórias que se cruzam na pequena Pelican Town, e depois, não satisfeito, procurei por outros jogos no mesmo estilo, com resultados decepcionantes.
O que me pareceu um pouco melhor foi o novo jogo intitulado "Harvest Moon" disponível na loja Steam, mas pare ser franco achei-o mais com cara de jogo de celular do que um digno representante da afamada franquia.  Um dia desses, se aparecer a preço baixo em uma promoção, até me arrisco, mas sem grandes expectativas.
Já tinha deixado isso para lá quando sem querer esbarro em um projeto de alguns desenvolvedores veteranos de "Fable", jogo de PC que também gostei bastante: "Kynseed".



O jogo é apresentado como uma mistura de "Fable" e "Stardew Valley". Você controla um personagem que interage com as pessoas e ambiente ao seu redor, em uma localidade conhecida como "The Valley", e suas ações vão determinando o desenrolar da história, já que os NPCs lembram de seus atos para com eles. Pode-se plantar e colher, mas também desenvolver outras atividades, como abrir sua própria taverna, ou se aventurar fora dos caminhos marcados e enfrentar os perigos que exstam por lá.
Os desenvolvedores já adiantaram que o jogo tem inspiração em folclore britânico e em "ancient legend"- seja lá o que quiseram dizer com isso...
Um grande diferença para "Stardew Valley" é que seu personagem envelhecerá e morrerá, deixando para seu herdeiro um semente, "kynseed",e a tarefa de seguir adiante.

O jogo já foi aprovado no greenlight (conseguiu a tempo, antes do greenlight ser extinto) mas até o momento não foi lançado na Steam. Estou realmente curioso quanto a "Kynseed" e pretendo comprar  esse jogo quando possível. Se o jogo será uma decepção ou se tornará um concorrente de "Stardew Valley" nas minhas preferências, veremos... veremos...

Página do estúdio desenvolvedor: https://pixelcount-studios.itch.io/kynseed

10 de fev de 2018

E aí está o carnaval! Para você, inveterado misantropo jogador de videogame, o OSD vem trazer mais algumas dicas de jogos retrô disponíveis na loja virtual Steam para você se divertir um pouco enquanto banca o anti- social se trancando no quarto o carnaval inteiro.
Ah... e se você gosta de carnaval e não vai segurar um joystick enquanto tiver pelo menos um bloco na rua, não tem problema! Os jogos continuarão na loja esperando você na Quarta-Feira de Cinzas.


SUGESTÃO #1

Se você está com saudade de jogar: "The Legend of Zelda" (NES); "Crusader of Centy" (Mega Drive); "The Legend of Zelda: a Link to the Past" (SNES); "The Legend of Zelda: Link's Awakening" (Game Boy); "Golden Axe Warrior" (Master System), "Golvellius" (Master System); "Willow" (NES)

Tente: Shipwreck


Sinopse: Seu barco naufragou perto de uma ilha onde algo errado está acontecendo. Agora você deve descobrir o que se passa na ilha para poder ter a chance de voltar para casa. O jogo é estilo top-down, e tem muita exploração de calabouços, lutas com monstros, itens variados e perambulação de um lado para outro. E se, de fato, lembra The Kegend of Zelda (NES), Crusader of Centy (Genesis/ Mega Drive) or The Legend of Zelda: a Link to the Past (SNES) não se pode dizer que seja tão bom quanto esses clássicos. É apenas um pequeno jogo divertido.

SUGESTÃO #2

Se você está com saudade de jogar: "Arkanoid" (NES. Atari), "Wood Pop" (Master System, Game Gear), "Devilish"/ "Bad Omen" (Mega Drive)

Tente: Wizorb


Sinopse: Um excelente jogo "Paddle-and-Ball", o qual eu, pessoalmente, acho que superou os jogos quase todos os jogos antigos desse estilo (exceto "devilish" do Mega Drive, no qual considero um empate). Em "Wizorb" você controla Cyrus, mago mestre na secreta magia wizorb, e deve salvar o outrora pacífico e próspero reino de Gorudo e suas quatro crianças mágicas, além de ajudar a reconstruir a cidade, porque você é um cara legal. O jogo possui uma das melhores pixel art que já vi em jogos retrô, bons controles, boa música e bom desafio- e é ótimo tanto para jogar seriamente quanto para matar tempo naqueles dias que você quer jogar videogame e nada chama sua atenção.

SUGESTÃO #3

Se você está com saudade de jogar: "Pinball Quest" (NES), "3D Pinball: The Lost Continent" (PC), "Jaki Crush" (SNES), "Sonic Spinball" (Mega Drive), "Devil Crash" (Mega Drive), "Crue Ball" (Mega Drive), "Dragon's Revenge" (Mega Drive)

Tente: Rollers of the Realm




Sinopse: Eu adoro jogos de pinball, seja nas máquinas, seja em videogame; seja em estilo tradicional, seja quando misturam elementos de outros tipo de jogos, como puzzle, aventura e RPG. "Rollers of the Realm" faz parte dessa segunda categoria. No jogo você inicialmente controla uma jovem ladra e seu cão de estimação, mas aos poucos novos personagens (todos representados por bolas, cada uma com peso e habilidades diferentes) vão se unindo ao time e a trama vai se complicando, sendo revelado que o mundo está ameaçado por uma antiga ameaça mágica. "Rollers of the Realm" é muito divertido e seus personagens são carismáticos, sendo apenas um tanto curto (seu maior defeito).

São essas as dicas dessa vez. Bom jogo e bom carnaval a todos (não necessariamente nessa ordem).